Arquivo da tag: festival

Cheio de publicidade e perfumaria, novo festival MOA exibe amadorismo

Em 1990, foi criado em uma cidadezinha do interior da Alemanha o Wacken Open Air, que anos depois se tornou o maior evento do Heavy Metal. Muitos brasileiros viajam todo ano para acompanhar o festival ficando em acampamentos e vivendo de Metal. Dentro do evento há um campeonato de bandas chamado Metal Battle, que tem etapas seletivas no mundo inteiro, inclusive no Brasil.

Há alguns anos surgiram boatos de que o Wacken teria uma edição no Brasil. A revista Rodie Crew tomou a dianteira do evento e depois de muita demora por informações, o próprio veículo revelou que não aconteceria mais o festival. No ano passado novamente surgiram os boatos do Wacken no Brasil e os promotores fizeram um belo uso indevido do nome para criar um festival brasileiro.

Depois de tantos boatos e a negativa por parte do Wacken a ceder o nome, nasceu o Metal Open Air, ou M.O.A., um pouco parecido com W.O.A., não? O local escolhido foi longe de onde sempre ocorrem os grandes shows: São Luís, no Maranhão, marcado para os dias 20, 21 e 22 de abril.

Passado o período de polêmica em relação ao nome do evento, vieram as confirmações e nomes interessantes entraram no cast como Anthrax, Megadeth, Grave Digger, U.D.O., Symphony X, Exodus, e Destruction. Para quem não conhece Heavy Metal, estamos falando de nomes de muito peso!

Mas um ponto interessante foi o valor inicialmente dado às bandas brasileiras. Nomes como Baranga, Torture Squad, Ratos de Porão, Matanza, Carro Bomba, Andre Matos, Korzus, Almah, Shaman, Hangar, Shadowside e o Stress, primeira banda de Heavy Metal formada no Brasil em 1975, em Belém do Pará!.

Na divulgação, vídeos de Charlie Sheen, músicos declarando que as bandas brasileiras serão respeitadas, um cenário totalmente favorável ao Heavy Metal em um dos países onde o gênero tem o maior número de fãs ao mesmo tempo em que não é levado a sério pela mídia, afinal, o termo “metaleiros” adotado por muitos foi criado de forma pejorativa pela maior rede de TV do Brasil.

O problema é que mesmo quando se tenta trabalhar em prol do Heavy Metal no Brasil, os organizadores demonstram que não são competentes o suficiente ou são, pelo menos, desleixados com as bandas brasileiras, um problema de vários outros festivais feitos aqui.

Primeiro foi a banda Shadowside que cancelou sua participação devido ao atraso na divulgação da programação com os horários para as bandas que vão realizar os shows.

“Lamento profundamente anunciar, mas não será possível a participação da banda Shadowside na primeira edição do METAL OPEN AIR, pois fica logisticamente inviável eles chegarem a tempo no evento para se apresentarem no horário que só nos foi confirmado há dois dias. O fato de que alguns membros da banda ter outros compromissos profissionais que os impediriam de ficar disponível todo o final de semana já eram do conhecimento da produção. A produção, por conta da demora, acabou inviabilizando nossa ida a São Luís. Pedimos sinceras desculpas a todos os fãs que esperavam tanto pela apresentação da Shadowside no evento”, declarou Flavio Garrido, manager da banda Shadowside.

Não bastasse perder o Shadowside, uma das boas bandas brasileiras do cenário atual, nesta quarta-feira, faltando dois dias para o início do festival, a banda Hangar já colocou sua participação em xeque. Pelas redes sociais, o baterista Aquiles Priester e o baixista Nando Mello avisaram que a banda não recebeu nenhum comunicado com a confirmação do horário de seu show e como está em Fortaleza, no Ceará, viajando em um ônibus, não haveria tempo suficiente para a ida até São Luis se a banda saísse após as 6h da manhã desta quinta-feira.

“É muito legal ver como o metal nacional é tratado… Uma pena, mas não temos mais tempo hábil para chegar ao Festival. Estamos de ônibus em Fortaleza e deveríamos sair amanhã de manhã, às 6h00 da manhã para chegar antes da meia noite ainda na quinta-feira, dia 19/04…. Infelizmente não temos como seguir sem uma confirmação da organização… Lamentável!”,  escreveu Aquiles Priester pelo Facebook.

Tudo bonito, divulgação no G1 com uma matéria por dia, participação de grandes nomes do Heavy Metal e do Rock, figuras como Charlie Sheen e Gene Simmons em anúncios e a produção perde duas atrações por puro amadorismo? Assim fica difícil fazer o Metal ser levado a sério no Brasil! Uma pena.

SWU: Começa com inteligência

A questão de haver ou não bandas de estilos musicais diferentes do Rock no festival Rock in Rio foi um tema polêmico há pouco mais de um mês. Faltando poucos dias para o início do SWU (Starts With You), decidi fazer uma comparação entre os dois eventos.

Em primeiro lugar, o SWU não usa um gênero musical em seu nome e poderia ser aberto a qualquer tipo de música, diferentemente do evento carioca. Mas curiosamente, o evento acaba sendo muito mais Rock do que o Rock in Rio.

E o ponto que considero mais inteligente do SWU é a criação de quatro palcos capazes de atender a diferentes públicos, além de separar bem as atrações de cada dia. Não me espantaria se, com a programação na edição deste ano do evento em Paulínia, os Medinas do Rock in Rio colocassem Black Eyed Peas, Duran Duran, Zé Ramalho e Megadeth no mesmo dia e no mesmo palco.

Já que falamos de algumas atrações, achei bacana a programação de cada dia e lamento apenas o fato de Neil Young ter sua presença garantida apenas em palestras sobre sustentabilidade. No mais, há atrações para todos os gostos dentro do que podemos considerar um público de festivais de música internacional – a galera de Hip Hop, Música Eletrônica, Pop e Rock.

Se você estava muito ocupado ou em outro mundo e não faz ideia do que poderá ver no festival. Faço aqui um resumo das atrações de cada dia:

No sábado (12), o palco Energia conta Marcelo D2, Snoop Dog e o Black Eyed Peas, enquanto Emicida, Damian Marley e Kanye West se apresentam no palco Consciência.

O domingo é o dia mais pop, contando com Zé Ramalho, Duran Duran e os rebeldes do Lynyrd Skynyrd, uma das maiores bandas de Rock de todos os tempos, no palco Energia. Pelo palco Consciência passam Ultraje A Rigor, Chris Cornell e Peter Gabriel, ex-Genesis. No mesmo dia, pelo New Stage tem a apresentação da viúva de Kurt Cobain, a louca Courtney Love com a banda Hole.

Em um dia um pouco ingrato para o final de um festival, chega a hora da música um pouco mais pesada na segunda-feira, quando os Raimundos se apresentam no palco Energia, seguidos por nomes como Black Rebel Motorcycle Club, Stone Temple Pilots e o Faith No More, do genial e louco Mike Patton. No palco Consciência tem a coisa mais legal feita por um integrante (ou ex) do Guns N’ Roses, o Duff McKagan’s Loaded, e depois uma sequência interessante com Down (do ex-vocalista do Pantera, Phil Anselmo), Sonic Youth, Megadeth e o repaginado Alice In Chains. Para quem gosta de algo mais pop ainda tem o Simple Plan no New Stage.

Assim como no ano passado, a organização caprichou na lista de atrações, sem inventar tanto na lista de artistas estrangeiros e dando espaço para grupos nacionais pouco conhecidos, o que o Rock in Rio abriu mão faz tempo.

Sim, você pode discutir o fato de o evento criado para promover a sustentabilidade não ter fãs que façam jus à causa, que vão ao interior paulista apenas pelas bandas e quando chegam em casa deixam todas as luzes acesas e a TV ligada enquanto dormem. Mas aí a culpa é do tico e teco que cada um tem na cabeça e não precisaria de um evento para criar consciência.