Arquivo da tag: edu falaschi

Vocalista ex-Symbols, Angra e Almah/Produtor e compositor

O que não escrevi em 2012…

O ano de 2012 acabou, o de 2013 começou e a falta de tempo útil me tirou posts inspirados nos últimos meses. Sim, não foi por falta de ideias. Cheguei a pensar em todo o texto em alguns casos, mas faltou escrever. Dizem que dá azar voltar ao passado, mas para mim é impossível dar um passo à frente sem saber como foi dado o passo anterior.

Não publiquei o texto “Chupa, Teló”, onde falaria do maior hit do mundo, o “Gangnam Style”. O gordinho coreano Psy jogou para debaixo do tapete os nossos representantes do pop mundial e alcançou uma popularidade incrível com uma música esquisita e uma dança bizarra. O cantor virou pop star, deu bandeirada no GP da Coreia do Sul de Fórmula 1 e hoje é difícil alguém que acesse a internet, veja TV ou ouça rádio jamais tenha conhecido qualquer referência dele. E a gente achando que o Michel Teló era o máximo…

Como consequência, também não postei o texto “O homem que copiava (e ainda copia)”. Neste post a grande estrela seria Latino, o sujeito que mais faz versões bizarras de músicas internacionais. Depois de “Festa no Apê” e “Vem Dança Kuduro”, veio “Despedida de Solteiro”, pegando carona no sucesso do Gangnam Style. Sim, Latino é um gênio! Pelo menos enquanto tiver quem consuma sua arte.

Não falei sobre “O cantor da pizzaria”! Sim, o italiano Fabio Lione será o vocalista convidado do Angra no cruzeiro 70000 Tons of Metal. Fabio Lione é a voz do Rhapsody of Fire, banda italiana que já se chamou apenas Rhapsody e toca aquele estilo defasado de Heavy Metal, o Melódico, ou Power Metal. Admito que fiquei curioso para ouvir a voz de Lione no Angra, ainda mais sabendo que meses atrás, ainda como vocalista do Angra, Edu Falaschi resolveu falar sobre o sotaque dos vocalistas cantando inglês e soltou a pérola: “Fabio Lione cantando parece o cara da pizzaria”, antes de mostrar como seria o italiano cantando “Arising Thunder”, do Angra.

Não comentei sobre “Ivetão Thrash Metal”. Sim, pois em plena TV aberta em rede nacional a melhor cantora baiana da Bahia pegou um violão e soltou uma versão de “Dead Skin Mask”, do Slayer. E a Cláudia Leitte querendo fazer média com roqueiros tocando uma versãozinha de “Dy’er Mak’er”, a música menos rock que o Led Zeppelin já gravou.

Voltando ao Falaschi, também não falei do post “Ano dos Revivals”, lembrando que Edu e Tito fizeram um show com Rodrigo Arjonas e Demian Tiguez marcando a comemoração de 15 anos da extinta banda Symbols, uma das bandas legais do final dos anos 90 que ficaram no tempo. O show foi no dia 23 de dezembro no Manifesto, que teve um público bem bacana na ocasião ao que consta. É o legado do Viper!

Também não escrevi o texto “Roger Federer e seus 12 apóstolos”. Sim, em um texto ironicamente natalino eu falaria sobre o evento da Koch Tavares no qual trabalhei para a assessoria de imprensa. Além do tenista que esbanjou carisma, esteve em vários lugares e serviu como embaixador do esporte no país, outros 12 jogadores atuaram no Ginásio do Ibirapuera: Jo-Wilfried Tsonga, Tommy Robredo, Thomaz Bellucci, Marcelo Melo, Bruno Soares, Bob Bryan, Mike Bryan, Maria Sharapova, Caroline Wozniacki, Serena Williams e Victoria Azarenka. (Ah, vale lembrar que apesar de breve encontro com Federer ao lado de Maria Esther Bueno, Gustavo Kuerten não organizou o torneio e não pagou o suíço como empresário do evento. Diferentemente do que escrevem uns blogs ‘jornalísticos’ por aí…). Sim, este post não sairia da regra deste blog, pois teríamos relatos da idolatria ao suíço lembrando um pouco os ídolos musicais e as músicas pedidas pelos tenistas, um oferecimento do DJ Edu Tomiatti. Aliás, já que eu toquei no assunto. Confira abaixo as músicas pedidas pelos tenistas:

Victoria Azarenka: “Ai Se Eu Te Pego (Remix)” – Michel Teló feat. Pitbull
Thomaz Bellucci: “Charlie Brown” – Coldplay
Bruno Soares: “One (Your Name)” – Swedish House Mafia
Marcelo Melo: “Tche Thererê (Remix)” – Gusttavo Lima
Roger Federer: “Mas que Nada”- Sergio Mendes feat. Black Eyed Peas
Roger Federer: “Mr. Saxobeat” – Alexandra Stan
Bob e Mike Bryan: “Hall Of Fame” – Will.I.Am
Tommy Robredo: “This is Love” – Will.I.Am feat. Eva Simon
Serena Williams: “All Of The Lights” – Kanye West
Maria Sharapova: “Sexy Back” -Justin Timberlake
Tommy Haas: “Gangnam Style” – PSY
Jo-Wilfried Tsonga: “Ai Se Eu Te Pego (Remix)” – Michel Teló feat. Pitbull
Caroline Wozniacki: “Man I Feel Like A Woman” – Shania Twain

Enfim, o que me resta dizer é: Feliz 2013
…e que eu consiga escrever aqui mais vezes!

Anúncios

Acabou a Nova Era

Liana Nakao/Site oficial Edu Falaschi

O Angra recrutou Edu Falaschi como vocalista logo após a saída de Andre Matos em 2000 e com ele teve grandes momentos que talvez tenham sido os maiores da banda com os álbuns Rebirth e, principalmente, Temple of Shadows, o que na opinião deste blogueiro é o melhor disco da carreira da banda paulistana.

Mas desde o lançamento do Temple of Shadows e a segunda perna da turnê do álbum lançado em 2004, uma maldição parece ter perseguido o grupo. Edu Falaschi passou a ter problemas para cantar as músicas nos tons originais, o que fez a banda alterar sua apresentação ao vivo. Mas depois percebe-se que isso era o de menos.

Brigas internas (com direito a agressão física), disputa de nome da banda na justiça (até conseguir afastar o empresário Toninho Pirani, da Rock Brigade), a eterna espera por um DVD decente, álbuns que não atingiram a expectativa, a saída de Aquiles Priester, turnês esvaziadas, declarações polêmicas e falta de pudor em publicações nas redes sociais, acusação de plágio e briga na justiça com grupo de pagode, e o pior show da edição 2011 do Rock in Rio tornaram o Angra uma bomba.

Nos últimos anos a banda apareceu na mídia apenas de forma negativa, tanto na grande imprensa quanto na especializada e não criou nada que pudesse colocar de volta o nome Angra como grande.

É curioso notar que em todos os 20 anos de carreira e sete álbuns de estúdio, apenas um DVD foi lançado pelo Angra e isto ocorreu há mais de dez anos, com a gravação de um dos primeiros shows da turnê Rebirth, que precisou de overdubs devido à falha no microfone que captava o som do público. Desde então, promessas e expectativas na turnê do Temple of Shadows, um show em São Paulo contando com participações especiais de músicos convidados do disco, como Kai Hansen, e nada.

Em Aurora Consurgens o Angra expôs a ferida com um álbum que falava sobre distúrbios mentais. Na época tudo era pólvora no clima da banda, que esteve bem próxima de uma separação. No fim, apenas Aquiles Priester saiu. A volta de Ricardo Confessori à bateria da banda poderia soar como um bom momento novamente, revivendo o passado… Mas não foi isso o que aconteceu.

Depois de uma turnê ao lado do Sepultura o Angra mais uma vez começou a preparar um novo disco, filmou quase toda a produção e lançou Aqua, que não remeteu ao passado e nem soube ser moderno. Ficou um disco morno e não teve uma divulgação tão bem sucedida.

Aí vieram as polêmicas com a acusação de plágio ao Parangolé em trecho claramente surrupiado pelos baianos na música “Nova Era”. Edu Falaschi resolver se juntar a Thiago Bianchi, do Shaman, numa patética campanha pelo Heavy Metal brasileiro. E o que se viu no fim foi Bianchi organizar um evento vazio em São Paulo e depois escrever e cantar o hino    do mais patético de todos os festivais de música do Brasil, o Metal Open Air.

Neste meio-tempo, Edu Falaschi teve tempo de fazer talvez o pior show da carreira em pleno Rock in Rio com TV ao vivo, dar uma entrevista tocando em pontos corretos da forma errada ao falar sobre o cenário do Metal no país e agradecer no fim aos organizadores do M.O.A. depois de ter feito um show “pelo público” quando muitos cancelaram a participação.

Em pouco mais de 11 anos, podemos dizer que Edu Falaschi cresceu como músico, fez ótimas composições, criou uma banda excelente que é o Almah, gravou um dos grandes discos de Heavy Metal da década passada com o Angra e se tornou a cara e o para-raio da banda, o alvo das críticas e um político chato. Os discursos passaram a atrapalhar Edu, assim como sua voz foi embora pelo fato de ele ter passado anos cantando músicas fora de sua linha vocal natural.

O curioso da saída de Edu Falaschi do Angra é que ela veio recheada com o abandono do baixista Felipe Andreoli ao Almah, logo ele que parecia ser o braço direito do vocalista.

Agora fica a expectativa: O Angra vai trazer Andre Matos de volta mesmo tendo o Ricardo Confessori na bateria? (para quem não se lembra, eles se desentenderam no Shaman). Rafael Bittencourt passa a ser o vocalista da banda, dividindo com a guitarra? Vão contratar um novo vocalista que terá de conviver com as sombras de Andre Matos e também de Edu Falaschi? São muitas as perguntas. O problema é que nos últimos anos o Angra tem respondido a poucas ou quase nada delas.

Aposta certeira do Almah com o álbum Motion

Bom, já que a onda com o final do ano é embarcar nas famigeradas retrospectivas por aí, o Espelho Mau não poderia ficar de fora do clichê. Mas a ideia aqui não é falar dos escândalos, dos mais bizarros ou relembrar shows. O intuito é falar dos melhores álbuns lançados no ano.

Para começar, analiso aqui o álbum Motion, lançado em setembro pela banda Almah com produção de Edu Falaschi e Felipe Andreoli, respectivos vocalista e baixista da banda.

Para quem não conhece, o Almah surgiu como um projeto paralelo de Edu Falaschi no momento em que o Angra passava por uma grande crise com o empresário Antônio Pirani.

O primeiro álbum foi gravado com material dos gringos Lauri Porra (baixista do Stratovarius), Emppu Vuorinen (guitarrista do Nightwish) e Casey Grillo (baterista do Kamelot) em 2006. Depoiso que era projeto passou a ganhar status de banda com Fragile Equality e agora chega entre as grandes bandas nacionais com o álbum Motion.

Enquanto ninguém aguenta mais as bandas repetitivas do Heavy Metal Melódico, o Almah decidiu se jogar de cabeça em um som mais agressivo e moderno, contando com uma ou outra balada e temas que fogem daquelas histórias épicas que tanto foram chupinhadas por aí.

Já na faixa de abertura, intitulada “Hypnotize” a velocidade já é imposta logo após a introdução e com uma levada bem visceral. Logo em seguida vem “Lifting and Drifting” também apostando em uma pegada longe daquilo que a banda principal, e Falaschi e Andreoli.

As guitarras de Marcelo Barbosa e Paulo Schroeber continuam falando grosso em “Days of the New”. Em “Bullets on the Altar”, a levada é mais cadenciada, sem apostar na velocidade, mas mantendo uma melodia mais grudenta e com guitarras mais sujas. O tema da música é o massacre de crianças em uma escola do Rio de Janeiro.

E quando você poderia acreditar que viria uma balada para acalmar, logo percebe que está enganado. Pois o ritmo segue forte e agora mais veloz com “Zombies Dictator”, que tem como convidado o vocalista Vctor Cutralle, da banda Furia Inc, soltando o gutural.

O Metal pesado segue na execução de “Trace of Trait”, primeiro single da banda tirada do Motion. A música já teve seu videoclipe lançado e marcou como um dos símbolos da nova linha do Almah. O Heavy Metal do barulhento continua em “Soul Alight”, enquanto na música seguinte chega a primeira balada com “Late Night of 85”.

Para finalizar há a participação de Thiago Bianchi, vocalista do Shaman, em “Daydream Lucidity”, enquanto “When and Why” é acústica, lenta e destoa um pouco do sentido que o Almah encara no álbum, encerrando a lista.

Mas saindo um pouco da música, o Almah também passou por problemas internos, como o problema de refluxo que prejudicou a voz de Edu Falaschi, que se opera agora em janeiro. E se não bastasse, um problema cardíaco do guitarrista Paulo Schoroeber assustou pouco e deixou o músico fora dos palcos no final da turnê.

Enfim, o Almah caprichou para lançar um álbum que pode ser divisor de águas na carreira da banda, com identidade, peso e melodia na medida correta. Muita banda maior, com mais nome e tempo de estrada segue na mesmice, enquanto o Almah foi criativo para tentar um passo adiante.

O ‘modo USP’ de Edu Falaschi e o contra-ataque do Metal

O desabafo de Edu Falaschi sobre a cena atual do Heavy Metal no Brasil teve grande repercussão entre fãs e músicos, mas curiosamente não foram muitos os que concordaram com o líder do Almah e (provável futuro ex) vocalista do Angra.

Como você pode conferir no post anterior, Edu não teve papas na língua para reclamar do que chama de morte do Metal brasileiro e abusou, exagerou no baixo calão chegando a jogar contra o seu próprio público e extrapolou ao declarar a “morte do Heavy Metal brasileiro”. Para este blog, foi um tapa na cara muito bem dado do público atual, que realmente não é tão fiel ao gênero quanto se diz e se acha, mas feito da pior forma possível, não à toa usei o termo “deselegante”.

Que entendam onde quero chegar, mas comparo o que Falaschi fez ao protesto recente dos estudantes da USP, em que a bagunça transformou os invasores da reitoria em vilões para a população e a mídia, provavelmente deixando de lado o que motivou tudo aquilo. Edu perdeu a linha e deu brecha a quem o quis rebater.

O desempenho ruim do vocalista em suas últimas apresentações também pesam contra, principalmente após o show com o Angra no Rock in Rio. Prestes a passar por uma cirurgia para resolver um refluxo que lhe atrapalha há anos, Edu acumula mais uma polêmica para sua lista após deixar em aberto a permanência no Angra, reclamar do Metal Melódico (que é decadente não apenas no Brasil) e viver rebatendo as críticas de seus fãs recém-saídos das fraldas.

Achei bem curioso o público juvenil do Heavy Metal se sentir vítima das palavras do músico e acreditar que não tem nenhuma culpa pelo estilo musical que gosta estar vivendo uma fase das piores por aqui, quando todos os envolvidos têm culpa.

Não sei se por respeito aos fãs, demagogia ou simplesmente pela própria opinião mesmo, mas não vi músicos defenderem o líder do Almah, pelo contrário. Kiko Loureiro, guitarrista do Angra, fez questão de avisar aos fãs que aquilo não era a opinião da banda e sim do Edu.

“Discordo, ainda mais da forma que foi dita. Foi declaração dele e não do Angra. Por favor separem as coisas”, escreveu Kiko Loureiro no Twitter.

No Heavy Nation desta sexta-feira, no UOL, você pode conferir a opinião de Aquiles Priester e Nando Mello, do Hangar. Ex-parceiro de Edu Falaschi no Angra, o baterista também revelou não concordar com a declaração. Da mesma forma agiu o baixista do Shaman, Fernando Quesada em texto muito bem escrito que foi publicado no site Whiplash, que tem bons argumentos e deixa claro que temos um bom tema para discussão.

Claro que discordo em algumas coisas, como muitos discordam do que leram aqui. Mas a partir do momento em que há a discordância, há um tema sendo debatido e isso é bom para o Heavy Metal. Não de forma brusca e mal educada, mas inteligente. Não “matando” o gênero, mas buscando alternativas para fazê-lo voltar a respirar sem o tubo.

Com tudo isso, a melhor coisa a se fazer quando o público é pequeno só pode ser valorizar os poucos merecedores disso, como faz muito bem neste Stand Up Metal Comedy o ex-Angra Andre Matos, vocalista da banda Symfonia, que recentemente tocou para casas esvaziadas e tirou de letra.

‘Deselegância’ de Edu Falaschi e a UTI do Metal brasileiro

No último domingo foi realizado pela primeira vez um show para celebrar o Dia do Heavy Metal Brasileiro. Idealizada por Thiago Bianchi, produtor musical e vocalista da banda Shaman, a data não teve muita divulgação, exceto por anúncios discretos em veículos especializados.

Logo, um evento que reunia bandas importantes no cenário atual como Almah, Hangar e Shaman foi um verdadeiro fracasso de público, o que causa preocupação para quem acompanha e valoriza o cenário musical.

Marcado por fazer declarações fortes recentemente quando fala sobre o Angra, o Almah e o público atual do Metal, o vocalista Edu Falaschi não segurou a frustração e soltou o verbo em um desabafo no qual apelou em alguns termos um tanto quanto impróprios, tendo razão em muita coisa, principalmente em relação ao fato de o Heavy Metal brasileiro respirar por aparelhos.

A oferta de shows internacionais no Brasil cresceu nos últimos anos e bandas como o Iron Maiden batem cartão em terras tupiniquins. Os shows são sempre lotados. A concorrência ficou desleal para as bandas nacionais, que já não faturam nada com vendas de discos, já que seus produtos não estão nas grandes lojas e o público atual é mais preguiçoso e mão de vaca: Faz download de tudo e não vai atrás para comprar nenhum disco e quando o gasta seu dinheiro é com uma banda estrangeira.

Os problemas não são exclusividade do Heavy Metal, mas de vários outros gêneros. Edu Falaschi não é o primeiro e nem será o último a chiar. Aliás, já ouvi os caras do Dr. Sin reclamarem há uns três ou quatro anos, assim como li os manifestos de Thiago Bianchi.

Por outro lado, lembro de ter lido há uns cinco ou seis anos o cantor Andre Matos dizer que a pirataria não assustava tanto, já que o público do Heavy Metal era fiel e comprava os discos, além de comparecer aos shows. Que mesmo baixando os arquivos de MP3, comprava o CD e o DVD para guardá-los como item de coleção. Sim, a coisa mudou. Aquele público que se dizia fiel, não tem mais fidelidade alguma, exceto com bandas com o Iron Maiden, que conseguiu disco de ouro no Brasil com o esquisito álbum Final Frontier, por exemplo.

A mídia especializada também piorou muito. Tente ler as entrevistas repetitivas e as resenhas chatas e manjadas nas páginas da revista Roadie Crew. A tarefa é dura. E aguentar então aquele perfil de programa infantil incorporado pela galera do Stay Heavy, programa especializado de TV. O Whiplash, que é o maior site de Metal do país, passou a apelar em suas manchetes, além de abrir espaço a outros gêneros. Enfim, é tudo pela vendagem, pela grana, como qualquer veículo de imprensa que necessita de margem de lucro.

O problema que vejo é simples: os meios do Heavy Metal estão seguindo um padrão pop para atrair a outros públicos. Enquanto isso, não se consegue emplacar o material feito no Brasil em eventos grandes realizados por aqui, e não são poucos. No Rock in Rio o espaço para o Metal brasileiro foi bem pequeno e amador, no festival SWU não há Heavy Metal nacional e o espaço na mídia em geral inexiste para quem não é Metallica, Iron Maiden e etc.

O que existe hoje na mídia em geral é o culto à celebridade e o Heavy Metal brasileiro passa longe de ser celebridade, exceto por um Andreas Kisser aqui, um Kiko Loureiro ali. Claro que a preguiça de um público “acostumado a leite com pêra” (“mimado”, para quem não entendeu o termo anterior) atrapalha e aí faz todo sentido a frase mais interessante de Edu Falaschi no final da entrevista que virou pronunciamento: “Fiquem aí com o Restart”.

Para quem não quer lembrar no futuro que o Rock bem feito no Brasil morreu para dar espaço a Restarts e NXZeros da vida, deixo abaixo uma lista com coisa muito boa que é ou foi feita por aqui.

Akashic, Almah, Angra, Astafix, Carro Bomba, Dr. Sin, Hangar, Harppia, Korzus, Krisiun, Mindflow, Musica Diablo, Nando Fernandes, Scelerata, Sepultura, Shadowside, Shaman, Stormental, Symbols, Torture Squad, Tribuzy, Tuatha de Danann, Viper e Vulcano.

Ah, então o público tem que ignorar as bandas estrangeiras? Claro que não! Mas abandonar o material produzido no Brasil é lamentável! Acha que não, então confira abaixo o que temos:

Hangar

Torture Squad

Krisiun

Stormental

Almah

Shadowside

Carro Bomba

Korzus

Nova Era chegou ao fim para o Angra?

O Angra chegou ao Rock in Rio com boatos de que aquele poderia ser o último show da atual formação da banda ou até o encerramento definitivo de um dos grupos mais importantes do Rock/Metal do Brasil e o momento foi histórico, para jamais ser esquecido, como disseram os músicos após a apresentação. Mas os motivos do show marcante não foram dos melhores.

Os problemas técnicos no Palco Sunset, onde se apresentou a banda, foram bisonhos. Houve problemas nos PAs, a banda ficou sem retorno nenhum no palco e na transmissão pela TV o som ficou embolado, sumindo as guitarras, ou o baixo, ou as vozes mesmo.

O vocalista Edu Falaschi também esteve longe de suas boas apresentações cantando e quando Tarja Turunen foi cantar o cover de Kate Bush “Wuthering Heights”, gravado pelo Angra no álbum Angels Cry e não executado desde antes da saída de Andre Matos em 1999, eis que a cantora finlandesa ficou sem retorno nenhum no palco e não entrou junto com a música.

A situação que se vê é bizarra, com os músicos deixando o palco e Tarja sozinha tentando interagir com o público e de certa forma se mostrando envergonhada pelo ocorrido.

Enfim, o repertório escolhido pelo Angra foi interessante, teve “Angels Cry”, “Lisbon”, “Carry On/Nova Era”, a nova “Arising Thunder”, além de “Spread Your Fire”, “Wuthering Heights” e “Phantom Of The Opera”, as três últimas com Tarja Turunen. O problema é que o show foi uma catástrofe que acabou mostrando que a fase não é boa para a banda e vai ser difícil a recuperação desta vez.

Depois de Rafael Bittencourt negar o fim da banda, eis que o vocalista Edu Falaschi solta um comunicado dizendo que vai parar no final do ano para recuperar a voz e avisa que não vai cantar músicas que não são adequadas para o seu estilo vocal, leia-se, os clássicos do Angra.

Sabendo que a banda já estava fragmentada com Kiko Loureiro se dividindo entre o Brasil e a Finlândia, Edu Falaschi e Felipe Andreoli tocando com o Almah, Rafael Bittencourt viajando com o Bittencourt Project e Ricardo Confessori tendo também o Shaman como banda, não se sabe o que pode acontecer, mas eu arrisco que a formação atual não volta a se apresentar junta. Alguém sai.

Ficou meio óbvio após o comunicado de Edu Falaschi que ele é a baixa mais provável da banda, mas como as coisas não vão bem, ele pode não ser o único a abandonar o barco, o que acabaria com a “nova era” criada depois que Andre Matos, Luis Mariutti e Ricardo Confessori pularam fora.

A fase é tão ruim que ao olhar a situação dos outros integrantes que passaram pelo Angra, ninguém está tão bem assim. Luis Mariutti se afastou da banda solo de Andre Matos, enquanto o vocalista embarcou no Symfonia, um projeto de Metal Melódico com estrelas do gênero como Timo Tolkki, o que também não deu muito certo, a ponto de a banda ter tocado em uma casa minúscula de shows em São Paulo depois de reservar um espaço maior e não ter procura.

Com uma bela história contada ao longo dos sete álbuns de estúdio (Angels Cry, Holy Land, Fireworks, Rebirth, Temple of Shadows, Aurora Consurgens e Aqua), a pior coisa para o Angra neste momento seria encerrar as atividades em baixa, após ter levado o estilo musical do Brasil para o mundo ao lado de Sepultura e Krisiun.

Enquanto todo mundo aguarda as respostas do Angra, se Edu Falaschi vai sair, se vai entrar alguém no lugar, se vai voltar o Andre Matos (Não acredito na alternativa, mas sei que muitos fãs querem isso faz tempo) etc., deixo aqui uma versão ao vivo de Wuthering Heights cantada por Andre Matos com o Angra e curiosamente ele canta mais alto que Tarja Turunen!