Slash não vive de passado

Parti de São Paulo a Brasília com a ideia de que deixaria de ver pela primeira vez um show ao vivo de Slash. Sem saber que a banda do último ‘guitar hero’ passaria pela capital federal, não me planejei para assistir ao show com Myles Kennedy nos vocais.

Eis que na véspera da apresentação fiquei sabendo que o britânico estaria em Brasília e a apenas alguns metros de distância do hotel que estou hospedado enquanto trabalho no Circuito Nacional Correios Infanto Juvenil de tênis. Em alguns momentos pensei que não conseguiria ir ao show, mas ao ouvir da sacada do hotel o início do show do Edguy, uma banda de abertura de luxo, não resisti e parti para o Opera Hall de Brasília. A história que vem a seguir provavelmente é muito parecida com a de todos os que estiveram nos outros shows brasileiros.

Apesar de contar com um público fiel e pequeno que estava interessado na apresentação de Tobias Sammet e sua trupe, o Edguy sofreu um pouco na função de coadjuvante. O público não se agitava muito com as músicas da banda alemã e o humor certas vezes sarcástico de Tobias Sammet era o que segurava alguns momentos mais empolgados do show.

Antes de tocar “Vain Glory Opera”, Sammet brincou perguntando se o público conhecia a banda Europe. E fez uma vocalização alusiva à música “The Final Countdown” quando o Edguy começou a executar um dos clássicos do grupo alemão. Em “Robin Hood”, do álbum Age of the Joker, o mais recente da banda, o Edguy conseguiu agitar o público e Sammet trocou uma frase da música por outra do Iron Maiden, antes de soltar duas vezes o grito “Scream for me Brasilia!”.

Fazendo sempre referências a Slash, lembrando que não se tratava de um show do Edguy e sim de um show de abertura para a banda do guitarrista, Sammet anunciou “Superheroes” com a seguinte frase: “Boa notícia para os fãs do Edguy e má notícia para os fãs de Slash. Vamos tocar mais uma música”. Apesar das brincadeiras, o show dos alemães foi bastante competente e não condizente a uma abertura.

Quando o relógio cravou exatamente 21h30 do domingo, Slash e a sua competentíssima banda invadiram o palco do Opera Hall com a música “Halo” agitando todo o público ansioso por ouvir mais uma vez o ex-guitarrista do Guns N’ Roses. Contando com clássicos do Guns N’ Roses, uma faixa do Slash’s Snakepit, duas do Velvet Revolver, muitos solos e petardos dos dois álbuns solo de Slash, não foi preciso muito apelo para agradar os fãs.

Slash se mostrou incansável. É incrível como nas 2h de show ele praticamente não deixa o palco e não para de tocar. Para qualquer um que gosta de guitarras, é uma verdadeira aula como foi muito bem exibido no solo de “Rocket Queen”, a música mais longa do show.

Vale destacar como soa muito bem o som do Guns N’ Roses com a banda de Slash. Não apenas a atuação do ex-gunner, mas todos os integrantes fazem com que os mais saudosos esqueçam do sonho de ouvir Axl Rose cantando junto a Slash novamente. Myles Kennedy segura muito bem as músicas da banda e o baixista Todd Kerns também exibe competência nos vocais em “Out Ta Get Me” e “We’re All Gonna Die”, esta do primeiro álbum solo de Slash.

O mais bacana do show é notar que o público é formado por jovens que acompanham a banda atual de Slash e não apenas por viúvas do Guns N’ Roses. A música que mais agitou os fãs em Brasília não foi “Sweet Child O’ Mine” e sim a jovem “Anastasia”. Também é muito bom ouvir como a competência nos riffs ainda acompanha o guitarrista, que tem várias faixas candidatas a clássicos no futuro como “Back from Cali”, “You’re a Lie” e “No More Heroes”.

Myles Kennedy varia bastante o seu comportamento. Em alguns momentos parece um tímido cantor e membro coadjuvante da banda, em outros mostra carisma e competência para segurar os vocais. Todd Kerns é o poser da banda. O baixista faz caras e bocas, acena para as meninas na primeira fila da plateia, além de cantar bem tanto nos backing vocals quanto na voz principal. Brent Fitz, o baterista de Alice Cooper e Vince Neil cadencia bem a banda, que é completa pelo guitarrista Frank Sidoris, o integrante que mais passa desapercebido, afinal, é guitarrista base em uma banda que tem como dono Slash.

A set list dos shows de Slash no Brasil também variou. Depois de executadas no Rio de Janeiro, “Been There Lately (Snakepit)”, “My Michelle (Gn’R)”, “Bad Rain”, “Doctor Alibi”, “You’re Crazy (Gn’R)” e “Welcome to the Jungle (Gn’R)” ficaram de fora de Brasília. Elas foram trocadas por “Mean Bone (Snakepit)”, “One Last Thrill”, “We’re All Gonna Die”, “Out Ta Get Me (Gn’R)” e “Fall to Pieces (Velvet Revolver)”.

Confesso que a troca de “Welcome to the Jungle” por “Fall to Pieces” decepcionou um pouco, mas a qualidade do show apresentado pela banda de Slash serviu para satisfazer os fãs que puderam rever o ídolo e notar que ainda existe Rock and Roll de qualidade sendo feito. Volte sempre, Slash! De preferência, com a mesma formação!

Abaixo resolvi colocar a set list de Brasília, mas na sequência também deixo as músicas tocadas em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba.

Brasília – Opera Hall (4 de novembro)
1. Halo
2. Nightrain (Guns N’ Roses)
3. Ghost
4. Standing in the Sun
5. Back From Cali
6. Mean Bone (Slash’s Snakepit)
7. Mr. Brownstone (Guns N’ Roses)
8. Rocket Queen (Guns N’ Roses)
9. One Last Thrill
10. Not for Me
11. We’re All Gonna Die (com Todd Kerns nos vocais)
12. Out Ta Get Me (Guns N’ Roses, com Todd Kerns nos vocais)
13. No More Heroes
14. Starlight
15. Solo de Guitarra com tema de O Poderoso Chefão
16. Anastasia
17. You’re a Lie
18. Sweet Child O’ Mine (Guns N’ Roses)
19. Slither (Velvet Revolver)
Bis
20. Fall to Pieces (Velvet Revolver)
21. Paradise City (Guns N’ Roses)

Frase de Slash no Facebook após o show: “My 1st time in Brasilia, what a dynamite place. Crowd kicked fucking ass! Sweat every drop of moisture in me, it was so damn hot. Iiii]; )'”
———————————————————————-
Rio de Janeiro – Fundição Progresso (2 de novembro)
1. Halo
2. Nightrain (Guns N’ Roses)
3. Ghost
4. Standing in the Sun
5. Back from Cali
6. Been There Lately (Slash’s Snakepit)
7. My Michelle (Guns N’ Roses)
8. Rocket Queen (Guns N’ Roses)
9. Bad Rain
10. Not for Me
11. Doctor Alibi (com Todd Kerns nos vocais)
12. You’re Crazy (Guns N’ Roses, com Todd Kerns nos vocais)
13. No More Heroes
14. Starlight
15. Blues Jam
16. Anastasia
17. You’re a Lie
18. Sweet Child O’ Mine (Guns N’ Roses)
19. Slither (Velvet Revolver)
Bis
20. Welcome to the Jungle (Guns N’ Roses, com Todd Kerns nos vocais)
21. Paradise City

————————————————————————

São Paulo – Espaço das Américas (6 de novembro)
1. Halo
2. Nightrain (Guns N’ Roses)
3. Ghost
4. Standing in the Sun
5. Back from Cali
6. Just Like Anything (Slash’s Snakepit)
7. Civil War (Guns N’ Roses)
8. Rocket Queen (Guns N’ Roses)
9. Shots Fired
10. Far and Away
11. Doctor Alibi (com Todd Kerns nos vocais)
12. You’re Crazy (Guns N’ Roses, com Todd Kerns nos vocais)
13. No More Heroes
14. Starlight
15. Blues Jam
16. Anastasia
17. You’re A Lie
18. Sweet Child O’ Mine (Guns N’ Roses)
19. Slither (Velvet Revolver)
Bis
20. Welcome to the Jungle (Guns N’ Roses)
21. Paradise City (Guns N’ Roses)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.