Quem será o Carlinhos Brown no Rock In Rio 2011?

Uma das tradições do Rock In Rio é ter artistas escorraçados do palco por não estar na hora certa, no momento certo e tocando a música certa. Desde 1985 sempre tem gente recebendo pedradas, garrafadas e levando outros objetos sólidos na cabeça além do barulho das vaias e xingamentos.

E a culpa nem é dos coitados dos artistas que estão no palco, mas do público que carrega a expectativa de ser agradado pela programação do Rock In Rio e da organização do festival, que capricha na hora de misturar estilos de uma forma que parece querer ver o circo pegar fogo mesmo.

As encrencas aumentam a atenção ao festival e também aos artistas. Depois de encarar uma chuva de objetos voadores no palco e seguir encarando o público em 2001, Carlinhos Brown se vangloriava. “Está todo mundo falando de mim e não do Guns N’ Roses”.

E no caso do batuqueiro baiano, houve sorte por a coisa não acabar mal. O temor pelas vaias ao Pato Fu não se confirmou com a escolha acertada da banda no repertório, enquanto Brown não sabia o que fazer quando o público pedia Rock. E então ele mandou “enfiarem o dedo no…”, disse que o público não tinha “mente aberta”, tudo isso no palco. Deu no que deu.

Uma curiosidade também marcou o último dia do Rock In Rio de 2001, quando a banda O Surto conseguiu entrar na lista do palco Mundo sabe-se lá como (ajudado pelo boicote de bandas como Raimundos, O Rappa e Charlie Brown Jr. ao festival), e inventou de fazer uma versão tosca de “Californication”, do Red Hot Chili Peppers, que fecharia o evento. Óbvio, o grupo cearense foi vaiado e meses depois ninguém sabia mais nada sobre os caras que tocaram seu hit radiofônico “A Cera” duas vezes no mesmo show.

Quem levou cartão vermelho do público em 1991 foi o cantor Lobão, que resolveu se apresentar com a bateria da Mangueira entre o show do Sepultura e o do Megadeth em um dia que ainda teria Queensryche, Judas Priest e Guns N’ Roses.

Ok, o público estava feroz. Mas quem foi o gênio que colocou o Lobão depois do show pesado do Sepultura e antes do também pesado Megadeth? Não deu outra, o show durou duas músicas.

Por falar em Guns N’ Roses, é interessante notar os comentários de Pedro Bial durante o show da banda norte-americana. O apresentador de Big Brother Brasil e criador daquelas crônicas de Copa do Mundo que também já foi jornalista se diverte de uma forma meio preconceituosa.

O primeiro dia do festival em 1985 também não foi dos mais tranquilos, com Erasmo Carlos não conseguindo agradar ao público que aguardava por Whitesnake, Iron Maiden e Queen. O “Tremendão” acabou vaiado e foi um dos destaques negativos do festival.

Alguns dias depois, lançaram o Kid Abelha e Eduardo Dusek no dia em que Scorpions e AC/DC se apresentariam no palco. E aí não foram garrafinhas d’água como as que recebeu Carlinhos Brown, mas pedras foram arremessadas contra as atrações nacionais.

Enfim, com tantos casos de gente que não conseguiu agradar, poderíamos ter candidatos ao troféu Carlinhos Brown-2011 do Rock In Rio? A diminuição do Rock na programação reduz as chances, mas não a zero.

O NX Zero é o primeiro candidato a vaias o festival se considerarmos que o Stone Sour, que toca logo em seguida é mais pesado e no mesmo dia tem Red Hot Chili Peppers. Mas ainda acho que Capital Inicial e Snow Patrol ameniza a situação da banda paulista.

No domingo sim surge um favorito, a banda Glória, que abre a programação do dia que terá Motorhead, Slipknot e Metallica no Palco Mundo enquanto o Sunseth recebe Sepultura, Korzus, Matanza e Angra com Tarja Turunen. O palco secundário tem seus shows mais cedo e deve deixar o público um pouco agitado para ver Glória e o também emo-metal Coheed And Cambria.

O Detonautas não seria candidato a vaias, mas sabemos que o vocalista Tico Santa Cruz costuma ser imprevisível. E se o cara resolver mandar ver naquela versão tosca em português de “Back in Black”, do AC/DC, por exemplo, vai ser alvejado facilmente por objetos voadores identificados, já que o público de System Of A Down e Guns N’ Roses pode não ser muito amistoso embora se misture aos caça-adolescentes Pitty e Evanescence.

Sim, o Rock in Rio já teve uma programação mais digna de encrencas, mas é sempre possível ter algum deslize que o público não vá perdoar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.