Titãs fizeram Patches virar Marvin e cometer delitos

A história de um rapaz que perdeu o pai aos 13 anos e teve de ir para a roça trabalhar e sustentar sua família foi um dos sucessos da longa carreira da banda Titãs, um grupo cheio de altos e baixos, que fez tanta coisa de diferente que é difícil saber o gênero hoje em dia.

A música em questão é chamada “Marvin”, com versão escrita por Nando Reis e gravada pelos Titãs em seu primeiro disco, homônimo de 1984. O que alguns não sabem é que a canção se trata da reprodução de uma história norte-americana de alcunha “Patches”, escrita e gravada originalmente pela banda Chairmen of the Board em 1970.

Os compositores Ronald Dunbar & General Johnson conseguiram um Grammy com a canção em 1970 na categoria Melhor Canção de Rhythm & Blues. Ao perceber o potencial da música, o cantor Clarence Carter decidiu fazer uma regravação tendo de ouvi-la durante a reprodução, já que ficou cego na juventude.

Conhecido por ter uma história sofrida de infância e nascido no Alabama, Clarence Carter se assemelhava ao personagem principal da história e com isso levou a canção ao posto de número 2 das paradas britânicas e 4 nas norte-americanas.

Na “versão brasileira Herbert Richards”, algumas características são curiosas, pois o que era Rhythm & Blues ficou praticamente um Reggae, sem contar alguns desvios na letra, que dificilmente seria idêntica devido à sequência musical.

Enquanto na versão original, Patches foi proibido pela mãe de abandonar a escola e teve de trabalhar e estudar, Marvin parou com os estudos logo que o pai morreu e então precisou ir à labuta.

O pai de Patches não lhe deu muitas esperanças ao morrer, já que não dizia saber o destino do filho e nem prometia sofrer caso o jovem caísse no choro.

Enquanto Marvin admitiu ter cometido o crime de roubo na versão dos Titãs, Patches jamais citou ter roubado um frango em nome da fome. Sua mãe rezava apenas para que o jovem aguentasse o trabalho pesado a cada dia. Confira abaixo as duas versões:

Anúncios

10 comentários em “Titãs fizeram Patches virar Marvin e cometer delitos”

  1. ótima análise; titãs é fogo de palha, embora tenhamos nos aquecido nos embalos, rapidamente virou cinza;

  2. Muito bom o comentário, adorei a versão original e sempre amarei o Marvin…Cada um compõe a sua história!

  3. “Titãs é fogo de palha”. Desculpe, respeito sua opinião, mas vivi nos anos 80 e para os paulistas Titãs sempre foi um marco na história do Rock. Lembro como se fosse hoje um evento chamado Hollywood Rock, com a presença dessa banda. Era sensacional.

    1. Nasci no fim dos anos 80 (em 89), hoje o ano é 2014, e Titãs pra mim é uma das maiores bandas que já existiu. Se titãs é fogo de palha, nem sei o que é então os hits de verão que movem multidões todo ano nesse lixo de MPB atual, pq popular no brasil hoje, é funk ostentação, forró e sertanejo universitário.

  4. Na verdade, poucos comentários sobraram pra mim, rsrsrs
    Mas o que acrescento é que, ótimas inspirações dão perfeitos originais.
    Marvin… Canção ilustre e verdadeira.

    1. Acabei de ver o no álbum acústico MTV dos Titãs e lá consta Ronald Dunbar & General Johnson como compositores, a música Patches de Dickie Lee lançada cinco anos antes da banda Chairmen of the Board que foi composta em 1967, não tem nada a ver uma música com a outra fora o nome.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.